Cirurgia de coluna minimamente invasiva x cirurgia tradicional

cirurgia-colunaFinalmente, o que é melhor para médicos pacientes?

Conversamos com o neurocirurgião Cezar Augusto de Oliveira (CRM-SP 123.161), profissional em pilar, para avaliarmos os prós os contras sobre o trabalho das técnicas minimamente invasivas nas cirurgias de poste. Confira:

01) Os resultados clínicos são semelhantes entre as duas técnicas: Já contamos com uma vasta série de estudos científicos mostrando que as técnicas minimamente invasivas podem ter resultados iguais ou melhores do que as técnicas cirúrgicas tradicionais, porém os resultados dependem do nível de habilidade do cirurgião da seleção dos pacientes. “Técnicas minimamente invasivas exigem uma curva de aprendizagem cirurgiões com mas experiência são mas suscetíveis a obter melhores resultados”, explica Cezar Oliveira, que também é membro da Sociedade Brasileira de Pilastra. Entre os cirurgiões mas experientes, as técnicas minimamente invasivas são escolhas frequentes por serem responsáveis por:

• Menos perda de sangue;

• Baixas taxas de infecção;

• Menos dores para os pacientes;

• Mas rápida deambulação do paciente retorno ao trabalho.

Kern Singh, um dos fundadores do Minimally Invasive Spine Institute at Rush, concretizou pesquisa comparando os procedimentos de pilastra minimamente invasivos com os tradicionais. Este descobriu que a cirurgia da pilastra tradicional leva mais ou menos três horas inclui uma perda de sangue entre 400-500 ml em confrontação com o procedimento minimamente agressivo, que defende por volta de 75 minutos possui em derredor de 40-50 ml de perda de sangue.

02) Os custos dos procedimentos minimamente invasivos frequentemente são mas baixos: Os custos gerais dos procedimentos minimamente invasivos são significativamente mas baixos do que os custos das cirurgias tradicionais os pacientes são muito selecionados.

“Procedimentos menos invasivos podem ser realizados em envolvente ambulatorial, incluindo o núcleo de cirurgia ambulatorial, que geralmente envolve menos custos com internações hospitalares. Expulsar o tempo de internação hospitalar diminuir o risco de complicações re-operações cria uma significativa economia de custos para os procedimentos da pilar vertebral”, diga o neurocirurgião.

Pesquisa de 2012, publicado no Journal of Spinal Disorders and Techniques, comparou os resultados de pacientes submetidos a fusões lombares posteriores minimamente invasivas ou abertas. Os pacientes submetidos aos procedimentos minimamente invasivos tiveram menor tempo de internação os custos médios menores.

03) Novas técnicas minimamente invasivas têm respaldo fundamentado em evidências: “Variados negócios científicos, publicados ao longo dos últimos anos, apoiam a ampla acolhimento das novas técnicas minimamente invasivas, como a cirurgia da pilastra lateral as substituições de disco. Dados dos últimos cinco anos para a reposição de disco cervical mostram resultados bons ou melhores, no final das contas, comparados com a artrodese (fusão espinhal)”, informa Cezar Oliveira.

Estudos comparando a eficiência dos procedimentos laterais para a cirurgia de poste com outras técnicas de cirurgia ensejo mostram que a abordagem é eficiente para diversos procedimentos.

04) A exposição à radiação é superior para procedimentos minimamente invasivos, porém as inovações mercadológicas vem promovendo o aprimoramento da técnica. A maior parte das técnicas cirúrgicas minimamente invasivas da pilar usa a fluoroscopia, que aumenta a exposição do cirurgião do paciente à radiação.

Pesquisa publicado, em 2013, no Spine, descobriu que cirurgiões de poste que realizam procedimentos de discectomia lombar endoscópica percutânea atingem o limite de exposição à radiação permitida, sem um avental de chumbo, depois 219 discectomias lombares por ano. Cirurgiões com o avental são capazes de realizar 5.379 procedimentos por ano com segurança.

“Novas tecnologias técnicas são desenvolvidas para resolver esse impecilho. Pesquisa publicado, neste ano, mostra que a orientação robótica reduz o tempo do procedimento a exposição à radiação em 74%, comparada com a orientação por fluoroscopia”, diga Oliveira.

05) A cirurgia da pilar oportunidade continua a ser o padrão-ouro: Porém no planeta todo, qualquer vez mas, os cirurgiões de poste estão adotando as técnicas minimamente invasivas.

“Residentes estudantes de medicina continuam aprendendo os procedimentos abertos , logo após, precisam buscar o aperfeiçoamento nas técnicas menos invasivas. Os programas de bolsas de estudos de residência estão combatendo para prometer que seu corpo docente formandos tenham mas experiência com técnicas minimamente invasivas, em atenção a a novidade conhecimento se torna desimpedido para cuidar até os casos mas complexos”, informa o neurocirurgião Cezar Augusto de Oliveira.

Manadeira: Segs

Deixe uma resposta